genocídio armênio

O genocídio armênio – o que foi?

Você já ouviu falar no genocídio armênio? Sabe o que foi e como aconteceu? Neste post vou falar sobre esse assunto. Afinal, ele representa uma parte importante da história que quase não é comentada.

Meu primeiro contato com a Armênia se deu no meu primeiro ano de faculdade. Eu, caloura da Letras e ansiosa por aprender o máximo que pudesse sobre culturas, literatura e idiomas, estava em busca de um curso para o período da tarde.

O fato de que eu estudei em escola técnica de período integral no ensino médio também fazia com que eu me sentisse incomodada por sair da faculdade ao meio dia. Mas enfim foi assim que eu localizei o curso de “introdução ao universo armênio”.

Fui sem saber o que esperar. Como eu disse, não sabia nada sobre a Armênia. Inclusive – e foi isso o que mais me marcou – eu nunca havia ouvido falar em um genocídio armênio.

Na última aula, um homem da turma – descendente de armênios – contou tudo o que ele sabia sobre o assunto. Ele contou o que sua família – refugiada – havia lhe dito.

Ele chorou, eu chorei, olhei para os lados e mais gente estava chorando. Naquele dia eu determinei que sempre que pudesse falaria sobre o genocídio armênio. Afinal, por mais que ele não seja reconhecido por uma série de países, é o sofrimento de um povo. E o sofrimento de nenhum povo deveria ser esquecido. É assim que nós impedimos que a história se repita.

Vendo que neste momento a Armênia está enfrentando mais uma conflito bélico, achei que seria o momento propício para trazer o assunto para o blog. Você já tinha ouvido falar no genocídio armênio?

O que é um genocídio?

O dicionário define genocídio como:

extermínio deliberado, parcial ou total, de uma comunidade, grupo étnico, racial ou religioso.
“o g. de judeus na Segunda Guerra Mundial”
2.
POR EXTENSÃO
destruição de populações ou povos.

Leia Mais: A onda – dica de cinema alemão

Acho que não preciso dizer mais do que isso. Por isso, podemos nos dirigir direto à história do povo armênio.

Contexto histórico do genocídio armênio

O genocídio armênio aconteceu durante a primeira guerra mundial. Foi um dos massacres mais brutais da história da humanidade e um dos primeiros do século XX.

Entretanto, ele ainda é negado pelo povo que o cometeu, os turcos. Além disso, é preciso entender que os problemas entre turcos e armênios – que inclusive estão muito acessos na guerra de agora – datam de muito tempo.

A Armênia foi um dos primeiros países cristãos do mundo. Mas é um país pequeno e, portanto, foi dominado por vários outros. Entre eles, árabes, persas, russos e pelo Império Turco Otomano.

Inclusive, durante a Primeira Guerra, os Armênios estavam sob o domínio turco otomano. Mas é preciso falar um pouco sobre essa dominação pré grande guerra.

Os otomanos eram uma grande potência. Entretanto, eles não conseguiram se manter no poder por muito tempo. E, em alguns momentos ao longo dos anos, eles consideraram que a culpa dos fracassos era dos Armênios.

Ou o povo na Armênia não estava trabalhando corretamente ou eles estavam traindo o império. Entretanto, tudo isso não passava de xenofobia crescente. Por isso, 1894 e 1896 o Império assassinou entre 150 e 300 mil armênios.

Nessa época o Império Otomano era formado também pro gregos e uma revolta na Macedônia causou a morte de 200 mil gregos entre 1919 e 1923.

O resultado? Mais xenofobia contra os armênios. Naturalmente, enquanto a repressão aumentava de um lado, o desejo de liberdade também crescia do outro.

Com a primeira guerra mundial a Armênia viu uma possibilidade de emancipação. Por isso, o povo se aliou a outro inimigo histórico, a Rússia.

O genocídio armênio

O genocídio armênio foi – para os turcos – um plano de governo. Ele foi determinado pelo alto escalão do país e teve um planejamento bem detalhado.

Entre outras coisas ficou definido:

  • convocação dos homens para a guerra e envio para o front de batalha;
  • expulsão da população;
  • meninas e mulheres deveriam adotar o islã.

O planejamento também tinha três justificativas:

  • Devolução da Turquia para os turcos;
  • Adoção do islã por todo o território;
  • Volta às raízes do povo turco.

Além disso, foi criada uma organização especial para executar as ordens do governo.

O genocídio armênio começa no dia 24 de abril de 1915 – no Sábado de Aleluia, dia sagrado para os Católicos – quando essa organização prende 600 intelectuais, políticos e religiosos armênios sob a acusação de conspiração.

A pena: execução.

Os homens armênios foram enviados para o front de guerra, mas não tiveram direito a armas. O trabalho deles era ir para a frente de batalha com nada além de enxadas para cavar trincheiras.

Não é preciso dizer que eles foram executados, certo?

Em junho 15 mil armênios que foram conduzidos ao campo de concentração foram mortos. Em julho foram mais 17 mil.

O próximo passo foi investigar vilarejos em busca de homens que não foram para a guerra. A pena: execução. Alguns deles foram queimados vivos. Outros enterrados vivos.

Mas não foram só os homens que sofreram. As crianças foram jogadas ao Mar Negro presas em caixotes, os padres foram crucificados e queimados vivos e os fetos removidos dos úteros de suas mães e lançados ao ar com espadas.

Por último, quem sobreviveu foi enviado para um campo de concentração no meio do deserto. Eles precisavam ir andando até lá. Boa parte das mulheres, crianças e idosos morreu na caminhada.

E depois?

O genocídio armênio durou até 1917. Como os turcos não guardaram dados, estima-se que foram assassinados entre 800 000 – 1 800 000 armênios.

Alguns migraram para outros países, entre eles o Brasil. A estação armênia do metrô de São Paulo tem esse nome para homenagear os refugiados dessa região.

Obviamente ainda existem atritos nessa área. Deve ser muito difícil para os armênios, especialmente pelo fato de que até hoje os turcos não assumem o genocídio.

Aliás, o assunto é esquecido nas escolas. Como eu disse no início do texto, eu só soube que isso aconteceu quando eu estava na universidade.

O massacre ainda não é reconhecido como genocídio por muitos países. Mas até quando isso será aceito?

Hoje a Armênia enfrenta outro conflito bélico. O governo já anunciou que está pronto para conversar sobre um acordo de paz. Espero que acabe logo.

Fontes 1 e 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *