Ensaio sobre a Cegueira

Ensaio sobre a Cegueira – livro de José Saramago

Eu ganhei o livro ‘Ensaio sobre a cegueira’ há um ano. Entretanto, como uma pessoa que compra muitos livros, eu o deixei guardado, esperando o momento exato. O que é o momento exato? Eu não faço a menor ideia.

A verdade, é que como a maioria dos leitores, eu tinha muitos livros pra ler. Portanto, por mais que quisesse ler “Ensaio sobre a Cegueira”, ele acabou ficando para depois. 

Mas quando eu li, só pude pensar que é realmente um livro único. Que livro incrível e único. É definitivamente um livro que marca a carreira de um autor, da melhor forma possível. 

Aliás, eu imagino que, ao escrever um livro como esse, o autor possa experimentar o sentimento de “Consegui”. Porque sim, José Saramago escreveu uma obra prima em seu Ensaio Sobre a Cegueira. 

Ensaio sobre a Cegueira

Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma “treva branca” que logo se espalha incontrolavelmente.

Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas. O “Ensaio Sobre a Cegueira” é a fantasia de um autor que nos faz lembrar “a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”.

José Saramago nos dá, aqui, uma imagem aterradora e comovente de tempos sombrios, à beira de um novo milênio, impondo-se à companhia dos maiores visionários modernos, como Franz Kafka e Elias Canetti. Cada leitor viverá uma experiência imaginativa única.

Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, José Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver.

Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu: ´uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos´.

Uma grande metáfora

Ensaio sobre a Cegueira é realmente uma experiência única para cada um. Especialmente pelo seu caráter distópico. Essa obra permite uma série de interpretações.

Para mim, a obra teve significados muito fortes. Extremamente relacionados com a sociedade atual. Talvez seja igual para você, talvez não. 

Por isso, por mais que eu fale dessa obra, você precisa descobri-la por si só. E por mais que exista uma obra cinematográfica – dirigida por Fernando Meirelles – muito boa, acredito que a obra escrita ainda seja insubstituível. 

Espero que vocês leiam e gostem tanto quanto eu. Fala pra mim o que você achou no [email protected]

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *