O animal mais resistente do planeta está na Lua – por Juan

O animal mais resistente do planeta

Você sabe qual é o animal mais resistente do planeta? Talvez você pense nas baratas, pois existe a crença de que elas poderiam sobreviver a uma bomba nuclear. Mas isso só aconteceria em condições bem específicas.

Além disso, outros animais, como a mosca-das-frutas, resistem a níveis maiores de radiação do que as baratas. 

Porém, existe um animal que pode sobreviver a níveis ainda mais altos de radiação. Quase 1000 vezes mais do que o ser humano. E, além disso, pode viver nas mais extremas condições ambientais.

Os tardígrados, também conhecidos como ursos-d’água, são pequenos invertebrados com menos de um milímetro de comprimento. Existem cerca de 1000 espécies desse animalzinho. A sua aparência divide opiniões, alguns acham que eles são fofos, enquanto outros os comparam a criaturas assustadoras.

Vou deixar uma imagem deles para você julgar. 

As pesquisas afirmam que eles estão no planeta há mais de 500 milhões de anos. Conseguem suportar temperaturas inferiores a -270°C e superiores a 150°C.

Como todos os seres vivos, eles precisam de água, mas, caso seja difícil obtê-la, eles podem entrar em um estado de hibernação, diminuindo seu metabolismo para 001% da taxa normal. Eles podem ficar assim durante décadas e voltar à vida ao ter contato com a água. 

Ursos d’água chegam à Lua

Mas os “superpoderes” dessas criaturas não são limitados apenas à Terra, pois eles podem suportar o vácuo do espaço. Em 2007, cientistas da Agência Espacial Europeia enviaram ao espaço duas espécies de tardígrados. Cerca da metade deles sobreviveu, tornando-se os primeiros animais a sobreviverem sem proteção nessas condições.

Nesta semana, os tardígrados foram assunto nos principais portais de notícias, pois uma missão espacial acabou espalhando-os na Lua acidentalmente.

Os animais haviam sido desidratados e colocados em um âmbar artificial. Eles estavam viajando em uma nave israelense da Arch Mission Foundation, que tem como objetivo fazer um “backup” do planeta Terra e espalhar o conhecimento humano pelo Sistema Solar, porém uma falha antes do pouso ocasionou o choque no solo lunar.

A nave também transportava um dispositivo cujo tamanho era próximo ao de um DVD. Ele continha 25 discos de níquel cerca de 30 milhões de páginas da história da humanidade visíveis sob microscópio.

Agora temos milhares de bichinhos hibernando na Lua. Entretanto, a chance de eles reviverem é mínima, já que lá não há água em estado líquido.

Embora possa parecer interessante, esse acidente quebra o Tratado do Espaço Sideral, no qual os países têm o compromisso de não contaminar o ambiente dos corpos celestes. 

Será que mais viagens especiais com tardígrados serão feitas? Haverá alguma missão de resgate para estudar os efeitos do vácuo do espaço sobre eles? 

Fontes: 1, 2 e 3

*Esse Texto foi escrito por Juan Plata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *