Rasga Coração

“Rasga Coração” – prestigie o cinema nacional

Rasga Coração

Vou começar com um aviso. Eu ainda não assisti o filme ao qual me refiro no post de hoje. “Rasga Coração” estreou ontem no cinema, mas mesmo sem ter visto, achei que deveria escrever sobre ele.

Muita gente ainda não sabe, mas a política das salas de cinema funciona da seguinte forma: a primeira semana é a que vale – principalmente o fim de semana. Se tiver público, aumenta a distribuição nas salas e fica em cartaz por um tempo. Se as pessoas não forem assistir… Tchau.

O problema desse sistema é que os grandes filmes – e por grandes eu quero dizer sucessos feitos com MUITO dinheiro – dominam as sessões. Especialmente se for internacional.

Enquanto isso, o cinema nacional está aí, com filmes incríveis e com pouco público.

O povo brasileiro ama humor. Acredito que essa seja a causa das comédias nacionais fazerem tanto sucesso. Porém, já passou da hora de nós valorizarmos outras produções nossas.

Fala-se muito da qualidade internacional.  Mas o Brasil está repleto de gente capacitada e talentosa. Podemos usar como exemplo o próprio elenco de “Rasga Coração”: Drica Moraes, Marco Ricca, Luisa Arraes, Chay Suede, João Pedro Zappa, Duda Meneghetti, Kiko Mascarenhas e isso é só pra citar alguns.

Rasga Coração

Rasga Coração é adaptação de uma peça de Oduvaldo Vianna Filho.

Ele conta a história de Manguari Pistolão, militante anônimo. Depois de quarenta anos de luta por aquilo que ele considera novo e revolucionário, ele vê o filho Luca acusá-lo de conservador, antiquado, anacrônico. Sem dinheiro para fechar o mês, sofrendo com as dores de uma artrite crônica, e num crescente conflito com Luca, Manguari passa em revista seu passado e se vê repetindo as mesmas atitudes de seu pai. Intercalando fragmentos de vários momentos da vida de Manguari, o filme ilumina quarenta anos da vida política brasileira a partir de uma relação entre pai e filho.

Em resumo

Rasga Coração foi escrita em 1974, entretanto é sobre o Brasil atual. É nossa história, nossa arte, nossa cultura. Ou seja, tudo aquilo que forma nossa identidade enquanto país.

Essa é uma daquelas belas oportunidades de reflexão sobre nós mesmos. Vamos assistir Rasga Coração no cinema. Vamos amar aquilo que é nosso!

Depois me contem como foi a experiência de vocês. O email é [email protected]

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *