Proclamação da República

6 Curiosidades sobre a Proclamação da República brasileira

A história faz parte da arte. Um povo sem arte e sem cultura é um povo sem identidade. Entretanto, infelizmente, muitas pessoas não têm interesse nos estudos históricos. Como está chegando o dia 15 de novembro, comemoração do feriado da Proclamação da República, vamos conhecer algumas curiosidades sobre a data.

O que foi a Proclamação da República?

No dia 15 de novembro de 1889, o Brasil teve a República declarada. Isso significa que o Brasil deixou de ser um país imperial. Ou seja, a partir desse momento o imperador, D. Pedro II, deixou de ser o governante do país.

O fato de D. Pedro II não ter tido filhos, gerava preocupação

D. Pedro II só teve filhas. Sua primogênita, a Princesa Isabel – que foi quem assinou a Lei Áurea – era a próxima governante. Entretanto, como ela era mulher, quem governaria o país seria seu marido, o francês Gastão de Orléans, Conde d’Eu.

Os militares estavam preocupados e insatisfeitos com a possibilidade de que um estrangeiro comandasse o Brasil.

A conspiração para o golpe que daria origem à República foi feita poucos dias antes

A ideia do golpe já havia sido instaurada. Os militares já estavam se preparando para isso. Porém, o momento da decisão final aconteceu apenas no dia 11 de novembro de 1889.

A  reunião aconteceu à noite, na casa do Marechal Deodoro da Fonseca – que até o dia anterior era monarquista.

Mesmo de cama – com uma crise de asma – o marechal decidiu que lideraria o movimento.

Havia uma dúvida com relação à data: 16  de novembro ou 20 de novembro.

Fofoca adianta a data

No dia 14 de novembro um boato começou a circular pelo Rio de Janeiro. A história era de que a monarquia mandaria prender Benjamin Constant e Deodoro da Fonseca. Além disso, especulava-se que o exército seria dissolvido pelo Primeiro Ministro Ouro Preto e que, em seu lugar, ficaria a Guarda Nacional.

Na mesma noite começou a rebelião do exército. O Ministro Ouro Preto pediu a prisão de todos eles. Porém, o responsável pela prisão, marechal Floriano Peixoto, não cumpriu as ordens.

Em um erro estratégico, Ouro Preto se refugiou com suas tropas no Campo de Santana, local para onde as tropas rebeldes estavam se dirigindo.

Depois da Dominação

Depois que os militares obtiveram sucesso em sua empreitada, o Ministro Ouro Preto foi enviado para casa. Apesar da vitória, D. Pedro II ainda era o imperador, já que a República não fora proclamada.

Os militares e meia dúzia de civis exigiam a proclamação. Ela aconteceu na noite do próprio dia 15, depois que D. Pedro II anunciou que Gaspar da Silveira Martins – rival de Marechal Deodoro – assumiria o novo ministério.

No dia 16, os republicanos enviaram para a monarquia uma carta, informando-os sobre a mudança no governo.

No dia  17 de novembro, D. Pedro II partia para Portugal.

Um problema histórico brasileiro

Como disse no começo do Post, a identidade nacional é formada por meio de história. Entretanto, em diversos momentos históricos do Brasil foram destruídos por quem participou do movimento.

Em 1889 mesmo ficou definido que a família imperial não poderia ter imóveis no Brasil. Em 1890, todos os bens restantes foram levados à leilão.

Assim, o país perdeu boa parte do acervo da monarquia. Algumas coisas foram recuperadas com o passar do tempo, entretanto, muita coisa se perdeu.

Esse é mais um dos exemplos de como o Brasil exclui seus momentos históricos.

Fontes 1 e 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *