negação

Negação – filme sobre o homem que negou o Holocausto Judeu

Enredo de Negação

Em 1996, a historiadora Deborah Lipstadt e o “historiador amador” David Irving travaram uma batalha na justiça, que é a base do enredo de Negação. Ele, negador do holocausto judeu. Ela, judia e estudiosa do holocausto,  escreveu em um livro que disse que Irving era um falsificador.

Ofendido, Irving resolveu travar uma batalha na justiça britânica, acusando-a de calúnia. Deborah recusou-se a pedir desculpas e aceitou ir para o tribunal. Como ela vivia nos Estados Unidos, pediu algumas indicações e encontrou bons advogados ingleses para representá-la.

Entretanto, eles surgiram com uma solução inesperada: para comprovar o que ela disse no livro, seria necessário comprovar que houve um holocausto judeu e que David, em seus estudos, excluía, propositalmente, informações importantes.

Dentre as discussões do filme existe uma que é crucial: é justo colocar uma vítima para depor diante de alguém como Irving? Seria certo fazer um enfrentamento entre alguém emocionalmente instável e uma pessoa que tem o dom da palavra?

A história é baseada em fatos reais.

Mix de emoções

Só pelo tema já percebe-se que o filme pode mexer com as emoções do espectador. Mas, o que realmente causa um mix de emoções são as atuações. A historiadora Deborah Lipstadt é interpretada pela atriz Rachel Weisz (conhecida pela franquia “A múmia”). Enquanto isso, o papel de David Irving foi de responsabilidade de Timothy Spall (muito conhecido por ter interpretado o Rabicho na franquia Harry Potter).

Weisz é uma ótima atriz e está maravilhosa nesse papel. Mas acredito que a luz do filme seja Timothy Spall. Ele está longe de ser o ator mais conhecido da Inglaterra, mas sua atuação é sempre incrível.

Nesse filme, em especial, ele está impecável. Timothy Spall é capaz de causar raiva, ódio, agonia e, até certo ponto, compaixão.  Não vou dar spoilers, mas há uma cena no filme na qual ele é capaz de te dar pena, ele quebra as barreira que você cria e te mostra que às vezes, as pessoas tem uma versão deturpada da vida, mas não entendem isso.

Além disso, a obra mostra que o caminho pode ser difícil mesmo para quem está com a razão. O julgamento é muito complicado para Deborah e seus advogados – muito bem intencionados – não deixam a situação mais fácil.

Negação é um filme tenso e, como é real, o final pode ser surpreendente. Vale muito à pena ser assistido, especialmente para nos lembrar sobre a importância da história.

Espero que vocês gostem do filme. Se alguém tiver alguma dica, sugestão ou comentário, envie e-mail para [email protected]

Até mais,

Thaís Dias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *